PROJECTO ACADÉMICO

Casa, Cozinha, Horto em Alcácer do Sal

Por Pedro Augusto Frade

Projecto académico realizado no Departamento de Arquitectura da Universidade Autónoma de Lisboa (DA/UAL), 2016

Pedro Augusto Frade nasceu em Torres Vedras, em 1992. Terminou a sua lincenciatura em 2013 no DA/UAL. Em Erasmus, no ano de 2014, realiza o primeiro ano de Mestrado em Arquitectura na Accademia di Architettura di Mendrisio, na Suíça. Completa o Mestrado no DA/UAL em 2016, com a dissertação Casa, Cozinha, Horto, em Alcácer do Sal, com a qual vence o prémio Archiprix Portugal 2017 e é finalista do prémio Young Talent Architecture Award 2018.

No seu percurso profissional, colaborou com os ateliers de Ricardo Carvalho + Joana Vilhena, Ricardo Bak Gordon e actualmente integra o atelier de Francisco Aires Mateus. Em paralelo desenvolve a sua própria prática.

É um dos mais recentes inscritos na Ordem dos Arquitectos, com o n.º 25 109 OASRS.

 

 

Sendo uma condição indissociável da profissão e vida de um arquitecto no contexto e mercado actual, entendo a ligação à OA como uma oportunidade, agora ainda mais urgente, para a valorização do papel da arquitectura e defesa acérrima dos interesses dos seus membros.
Se a Arquitectura Popular em Portugal de 1961 nos revela um contexto onde a arquitectura possuía qualidades intrínsecas a um saber construir, transmitido através de gerações e circunscrito a um determinado grupo, a partilha de conhecimento e tecnologia inerentes à globalização fragilizou os processos de concepção arquitectónica, no que toca ao entendimento público do papel fundamental do arquitecto, sobretudo no espaço físico.
Enquanto jovem arquitecto conto com a OA sobretudo para valorizar o conhecimento específico dos arquitectos, pressionando a esfera pública e política para uma constante e cada vez mais necessária educação sobre a nossa profissão.

 

 

A estratégia base de análise deste território consiste numa alteração da escala da percepção. Alterando as unidades de estudo, é possível entender o objecto de outro modo, não como uma cidade nem como uma aldeia, mas algures entre ambos, entre escalas. As consequentes unidades de intervenção consistem em três elementos: Casa, Cozinha e Horto.

Implantado no lugar de colonização, a colina de Alcácer, o projecto multiplica-se em intervenções pontuais, albergando diversos aspectos da experiência quotidiana existente.

O primeiro dos três artefactos construídos, a Casa, consiste na parte privada e introspectiva do projecto, respondendo não só às necessidades mais íntimas e fisiológicas do indivíduo mas também a necessidades imateriais, do foro da reflexão.

A Cozinha, por oposição ao primeiro artefacto, consiste no lugar de comunhão, extendendo-se do interior para a dimensão pública e convocando a reunião.

O Horto, terceiro artefacto da proposta, consiste no espaço de produção, contendo 24 espécies, nativas do território de Alcácer do Sal. ◊

 

 

Professores: Francisco Aires Mateus, Joaquim Moreno, Marco Arraiolos

 

 

Estuário do Sado
Estuário do Sado
Localização da intervenção
1  Casa
2  Cozinha
3  Horto
Localização da intervenção
1 Casa
2 Cozinha
3 Horto
Maquetes 
Casa, Cozinha e Horto
Maquetes
Casa, Cozinha e Horto
format=jpg
format=jpg
format=jpg
Casa
Cozinha
Horto
format=jpg
format=jpg
format=jpg
Casa – Planta
Casa – Secção
Casa
format=jpg
format=jpg
Cozinha – Planta
Cozinha – Secção
format=jpg
format=jpg
format=jpg
Horto – Planta
Horto – Secção
Horto